Constelação da Fisicalidade

Sábado, 13.11.2021

Com António Joaquim Guerreiro (moleiro) e Musa paradisiaca (artistas visuais)

A fisicalidade é um elemento bem presente na prática diária do moleiro António Joaquim Guerreiro, no Moinho de Vento que continua a ativar em Castro Verde. Já a dupla de artistas visuais Musa paradisíaca, cujo trabalho é ancorado num diálogo fascinante com outros artistas ou cidadãos locais, não só já construíram peças em pão que o público era convidado a comer para descobrir pequenas esculturas no seu interior (performance-refeição “Cantina Máquina”, Museu de Serralves), numa reflexão do corpo enquanto matéria, mas os artistas transportam também o corpo do espectador para espaços físicos e mentais diversos, tal como pudemos testemunhar na construção da casa-escultura-monumento “Casa Animal” (2017). Nesta Constelação da Fiscalidade, os artistas juntam-se ao moleiro António Joaquim Guerreiro para uma sessão de reflexão sobre o corpo, a matéria e a fisicalidade destas nas suas práticas.


Produção:
Futurama
Apoios: Câmara Municipal de Castro Verde, Câmara Municipal de Mértola, Câmara Municipal de Serpa, Direção-Geral das Artes, Fundação Millennium BCP

 

Musa paradisiaca é um projeto artístico de Eduardo Guerra (Lisboa, 1986) e Miguel Ferrão (Lisboa, 1986) centrado no diálogo. Tendo início em 2010, com a apresentação de um conjunto de ficheiros sonoros em www.musaparadisiaca.net, a prática de Musa paradisiaca tem vindo a pluralizar-se desde então. Em contexto discursivo, participativo ou expositivo, Musa paradisiaca pode ser definida pela produção de esculturas, filmes, desenhos e ações performativas, entre outras. Ao reunir diferentes entidades, praticantes, especialistas ou referências, sejam estes de cariz colectivo ou individual, Musa paradisiaca tem estabelecido uma afinidade de pensamento que partilha e revela várias vozes.  O seu trabalho tem sido apresentado em diferentes contextos, entre os quais Whitechapel Gallery, Londres (2019); MAAT – Museu de Arte, Arquitectura e Tecnologia, Lisboa (2018); Haus der Kulturen der Welt, Berlim (2017); BoCA – Bienal das Artes Contemporâneas, Lisboa (2021 e 2017); Vdrome, online (2017); ISELP, Bruxelas (2017); Museu Calouste Gulbenkian, Lisboa (2017 e 2013); Centro Internacional das Artes José de Guimarães, Guimarães (2016); Museu de Arte Contemporânea de Serralves, Porto (2016 e 2015); Videoex Film Festival, Zurique (2015); Malmö Art Academy – Moderna Museet, Malmö (2015); Fondation d’Entreprise Ricard, Paris (2015); Palais de Tokyo, Paris (2013); Cinemateca Portuguesa, Lisboa (2013). 

Quando

Sábado, 13.11.2021

Onde

Moinho de Vento do Largo da Feira (Castro Verde)

Horário

11h

Bilhetes

Entrada livre

Inscrição